Terça-Feira , 30 Maio 2017

A Prefeitura realiza nesta quinta-feira (04), às 14h30, a solenidade de tombamento municipal da Pedra de Xangô e da área considerada sítio histórico do antigo Quilombo Buraco do Tatu, na Avenida Assis Valente, em Cajazeiras 10 (próxima ao Campo da Pronaica). O evento contará com a presença do prefeito ACM Neto e do presidente da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Fernando Guerreiro. O processo de tombamento foi aberto a partir das solicitações da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia (AFA), da Associação Pássaros das Águas e da Câmara Municipal de Salvador. 

 

A Pedra de Xangô é considerada um monumento natural sagrado e elemento de resistência cultural e aglutinador da teia de terreiros da localidade. Toda a região de 17 hectares onde se encontra a pedra já foi oficializada como a primeira Área de Proteção Ambiental (APA) criada pela Prefeitura com base no novo Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador (PDDU). Além disso, a Secretaria Municipal de Cidade Sustentável e Inovação (Secis) desenvolve estudos para a implantação do Parque em Rede Pedra de Xangô, que terá regimento próprio e conselho gestor e equipamentos como ciclovia, anfiteatro, e área para celebrações religiosas. 

 

Para a FGM, o tombamento da pedra reconhece uma crença, empodera um povo e faz justiça a uma reivindicação antiga. "Salvador ganha um marco identitário que reforça sua história e tradição. Cajazeiras ganha um espaço para se estruturar e desenhar uma fisionomia própria. Parabéns a todos os envolvidos que se empenharam numa luta sem trégua. Agora é pensar no futuro e potencializar essa pedra como marco de luta e resistência", afirmou o presidente da fundação, Fernando Guerreiro. 

 

Patrimônio cultural - Durante as comemorações pelo aniversário dos 468 anos de Salvador, a Prefeitura já havia feito o tombamento do Cristo da Barra, também com base na lei municipal de número 8550/2014. Essa legislação que garante o tombamento, pelo município, do patrimônio cultural para fins de preservação cuja proteção seja de interesse público e pelo reconhecimento social no conjunto das tradições passadas e contemporâneas em Salvador.  

 

Já estão em curso os processos de tombamento da Igreja dos Aflitos, no Centro; Casa de Retiro São Francisco, em Brotas; terreiro Ilê Asè Kalè Bokun, em Plataforma; e Marco de Fundação da Cidade do Salvador, na Barra.