Quinta-Feira , 23 Novembro 2017

 

A Coordenadoria de Salvamento Marítimo de Salvador (Salvamar) faz um alerta à população para que evite o banho de mar nesse período chuvoso, devido ao risco de afogamento e de doenças. Com as chuvas, as correntezas ficam mais fortes, e os banhistas podem ter leptospirose, hepatite e micose, por causa do volume de água da chuva que deságua no oceano. O mar revolto também dificulta o trabalho dos salva-vidas.

 

A Salvamar já registrou 62 afogamentos no outono (meses de março, abril e maio), a maior parte em Jaguaribe e Piatã. Durante todo o ano, houve 643 ocorrências. O coordenador da Salvamar, João Luiz Moraes, aponta as praias de Piatã, Farol de Itapuã, Stella Maris, Aleluia, Jaguaribe e Jardim de Alah como as mais perigosas. Todas estão sinalizadas com a bandeira de perigo.

 

Para evitar acidentes, a dica é pedir informação aos salva-vidas de plantão. “A nossa maior dificuldade está na imprudência dos banhistas. A maioria dos casos ocorre porque as pessoas desrespeitam a sinalização de perigo, ou deixam de se informar sobre a região onde estão se banhando. Às vezes o mar parece calmo, mas há pedra e buracos no local. O ideal é perguntar aos agentes, porque eles conhecem melhor a área onde atuam”, adverte.

 

A Salvamar trabalha em esquema de plantão nesse final de semana, com 80 agentes distribuídos em 38 postos fixos, entre as praias de Jardim de Alah e Ipitanga. Além disso, quatro postos volantes fazem a ronda neste perímetro.

 

Equipamentos – Este ano, a Salvamar recebeu 2.555 novos itens, incluindo pranchas de long board, bandeiras de sinalização, máscara de bolso, vestimentas e flutuador, dentre outros itens. Além disso, os dois jet skis, utilizados pelos agentes, foram reformados e revisados para as operações. O valor total do investimento foi de R$ 400 mil.