Segunda-Feira , 22 Outubro 2018
0
0
0
s2sdefault

"Margareth Menezes é a essência de nossa música. Traz a tradição e a modernidade agregada à sua arte, e é isso que faz de nossa cultura algo tão plural". As palavras, ditas em meio aos passos da versão de Mama África, de Chico César, puxada pela cantora, são de Mara Lage. Há dois dias na capital baiana, a empresária de 41 anos rodou cerca de 300 quilômetros desde Gandu, no Sul da Bahia, e não vai arredar o pé da areia até fim da noite desta segunda-feira (1º), quinto e último dia do Festival Virada Salvador 2018.

"Cheguei para acompanhar a virada e, no primeiro dia do ano, poder brindar a chegada de 2018 com Margareth é tudo de bom. Só me traz boas energias", completa a ganduense, que veio à festa com os familiares residentes na capital baiana.

Numa sequência enraizada no reggae brasileiro e em sucessos de Bob Marley, Chico César e no repertório próprio da artista, Margareth botou o povo pra dançar com seu afropop, que foi capaz de encantar o rockstar inglês David Byrne (Talking Heads), que levou a música da soteropolitana da Península Itapagipana para o mundo. De vermelho em referência a Xangô, orixá regente do novo ano, segundo as religiões de matriz africana, a artista apresentou seu novo sucesso, Todo Mundo Alegre, obtendo boa receptividade da plateia, para deixar "todo mundo alegre, leve, cheio de alegria", como cita na canção.

Em seguida, o público foi ao delírio com a interpretação de "Me abraça e me beija", de Lazzo Matumbi, sucesso também na interpretação singular de Maga. No palco, a cantora teve a companhia da bateria do Bloco Muzenza, que comandou o cortejo no chão da Arena Daniela Mercury, no segundo dia do Festival Virada Salvador, na sexta-feira (29), para dar boas-vindas ao novo ano para soteropolitanos e turistas presentes à Orla da Boca do Rio neste Dia de Todos-os-Santos.

Arriscando passos que simulavam gestos de capoeira, Margareth conclamou a galera a dar uma volta na arena com o hit Dandalunda, composto especialmente para ela por Carlinhos Brown. "Bem pertinho da entrada do gueto. Um terreiro de Angola e Ketu. Brasa acesa na pisada do frevo, Dandalunda...", cantava a multidão, chamando em seguida pelo nome da cantora, que completa 30 anos de carreira neste verão.

 

0
0
0
s2sdefault