Segunda-Feira , 10 Dezembro 2018
0
0
0
s2sdefault

A cultura afro-brasileira foi celebrada na manhã desta quinta-feira (6), no Museu Nacional de Cultura Afro-brasileira (Muncab), localizado no Centro, pelos alunos da educação infantil da Escola Municipal João Lino, no encerramento do projeto Masserê. O projeto, que acontece desde 2017, é uma parceria do museu com a escola e tem como objetivo resgatar e ensinar a cultura afro-brasileira para os alunos.

O encontro dos estudantes com várias senhoras de terreiros, que contaram histórias sagradas dos deuses e orixás, serviram como inspiração para que essas crianças pudessem representar esses contos através de esculturas em cerâmicas, todas expostas ali mesmo. Apresentação de dança africana e entrega de certificado aos alunos também fizeram parte da celebração.

Professora ceramista, Rejane Passos, que ajudou os alunos a construírem as peças, conta da sensação de, pela primeira vez, poder mergulhar tão fundo nessa cultura tão rica. “Foi uma experiência incrível. Uma interação e troca de energia inexplicáveis. Eu aprendi muito com essas crianças. Foi muito gratificante. Esse é um projeto grandioso e melhor seria se todas as crianças tivessem a oportunidade de vivenciá-lo”, afirmou.

“Esse projeto tem uma grande importância para o nosso futuro, pois tudo que nós passamos em forma de cultura para essas crianças elas levarão consigo para o resto da vida. É ensiná-las a conhecerem e valorizarem a cultura afro-brasileira que muitas vezes e desprezada pela população”, declara a coordenadora voluntária do projeto, Maria Augusta.

Diretora da escola, Rita de Cássia destaca a contribuição do projeto para que as pessoas se sintam donas do seu espaço. “A gente precisa avançar no direito de aprender, abraçando a nossa cultura, a musicalidade, as cores, as formas e a arte de onde vivemos. Esse projeto possibilita o resgate dessa riqueza cultural que muitas vezes fica adormecida e que nossas crianças não conseguem desfrutar”, afirma.

“Eu amo participar desse projeto porque eu posso dançar, brincar, estudar e ainda conhecer várias histórias. E ainda aprendi a jogar capoeira”, declarou Lara Vitória de seis anos.

Emocionada, Jaqueline de Santana, 38, mãe do aluno Pedro Henrique, que há dois anos participa do projeto, destacou a importância desse trabalho. “Meu filho mudou muito depois que começou a participar do projeto, parece que ele ficou mais inteligente. É muito importante que eles tenham esse aprendizado diferenciado, que vai além do português e matemática. Essas crianças precisam conhecer e aprender sobre nossas raízes africanas”, declarou.

0
0
0
s2sdefault