Sexta-Feira , 06 Dezembro 2019
0
0
0
s2sdefault

 

Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), através da Diretoria de Serviços Públicos (DSEP), realizou nesta terça feira (7) a operação "Cidade Dez, Sucata Zero", em algumas localidades de Salvador. A ação, que aconteceu nos bairros de Castelo Branco, Santa Mônica, Lobato, Santa Luzia e na Avenida Suburbana, resultou na retirada de 20 sucatas dos logradores públicos, sendo 8 apreendidas e 12 retiradas pelos proprietários.

De janeiro a maio de 2019, a Semop já retirou 340 sucatas das ruas de Salvador e foram emitidas 406 notificações. A operação que contou com o apoio de 15 fiscais tem como objetivo recolher sucatas e bens inservíveis, contribuindo com a mobilidade, a segurança e a saúde pública e bem estar social. A ação acontece de segunda a sexta-feira, com equipes espalhadas por toda a cidade, mas nas terças e quintas-feiras, as rondas são reforçadas com uma maior quantidade de caminhão guincho.

A meta para este ano é retirar mil sucatas das ruas da capital baiana. Parte do material recolhido segue para o Setor de Guarda de Bens Apreendidos (Segub), localizado na Avenida San Martin (ao lado do Colégio Luiz Eduardo Magalhães), e os objetos inservíveis são descartados pela Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb).

Quem tiver objetos apreendidos pode retirá-los mediante a apresentação de documentos de identificação do proprietário e do bem. O prazo para a reivindicação é de até 60 dias, e o valor da multa varia entre R$ 855,77 e R$ 1,1 mil.

Critérios - Para o objeto ser considerado sucata tem que ser bem inservível, ou seja, que não está servindo ao objetivo para o qual foi fabricado. Se for um veículo, precisa estar em condições de abandono, com vidros quebrados, pneus arriados ou em falta, geralmente acumulando sujeira, água ou mato, sem motor, chaparia incompleta ou enferrujada e sem bancos. A população pode solicitar a retirada de sucatas, através do Fala Salvador, pelo telefone 156.

 

 

0
0
0
s2sdefault