Domingo , 17 Novembro 2019
0
0
0
s2sdefault

Foto: Jefferson Peixoto/Secom

As felicitações em verso abriram a série de espetáculos em homenagem aos 24 anos da Fundação Cidade Mãe (FCM). A rima declamada pelos 800 educandos dos Centros de Convivência de Salvador, em Cajazeiras, Canabrava, Chapada do Rio Vermelho, Engenho Velho de Brotas, Periperi, Piatã e Saramandaia marcou o espetáculo “Cantos e Encantos Baianos”, baseado nas manifestações populares e culturais da Bahia. Encenações musicais e teatrais emocionaram a plateia que participou do evento, nesta quarta-feira (28), no Espaço Forró da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), em Piatã.

Atualmente, a fundação atende mil adolescentes e jovens, de 8 a 24 anos. As atividades oferecidas buscam a construção da cidadania, além do resgate da autoestima dos alunos. A presidente da instituição, Gabriela Macedo, fez questão de destacar que as ações da Cidade Mãe visam a proteção e resgate de direitos assegurados pela lei. “Nosso papel é ajudar esse público tão vulnerável a idealizar seus sonhos através das artes”, disse, emocionada.

Integrante do projeto Ciranda e Ritmo, uma das ações da fundação, o jovem Uelson Conceição, 16 anos, encontrou na batista percussiva um novo sentido para vida. Atendido pela instituição há 3 anos, afirmou que a música tem sido uma terapia. “Entrei aqui perdido, não gostava de nada, mas me ajudaram a descobrir meu talento. Hoje, quando toco, me sinto realizado, feliz”, disse o adolescente, enquanto arrumava o repique minutos antes de subir ao palco. Além das apresentações, os alunos organizaram uma exposição de quadros e esculturas feitas de material reciclado. As obras de arte seguem em exposição, na ABBB, até a próxima semana.

Pilares - Os Centros de Convivência de Salvador (CCS) estão ligados à Gerência de Proteção Básica e têm como objetivo prevenir situações de risco, através do desenvolvimento de potencialidades e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Entre as atividades são ofertadas oficinas de artes visuais, capoeira, dança e teatro para crianças e adolescentes de 8 a 17 anos, além de cursos profissionalizantes de manutenção de micro e panificação, voltado para os alunos com idades entre 16 e 23 anos.

Em parceria com o Ministério do Trabalho, a Fundação Cidade Mãe desenvolve também o programa Jovem Aprendiz Especial FCM. A iniciativa é voltada para adolescentes e jovens matriculados nas oficinas de artes visuais e dança. Por meio da parceria, eles são contratados por uma empresa, tendo sua carteira assinada, recebendo meio salário mínimo e todas as garantias previstas na Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Durante os 15 meses de curso, o jovem desenvolve suas atividades na própria entidade. As matrículas para as ações culturais acontecem durante todo o ano.

Um outro pilar da Fundação Cidade Mãe é o trabalho desenvolvido nas cinco Unidades de Acolhimento Institucional (UAI). Localizadas nos bairros de Pituaçu, Boca do Rio, Avenida Bonocô, Dois de Julho e Jardim Baiano, as UAIs têm como objetivo acolher provisoriamente crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva, determinada pela Justiça. O acolhimento, previsto no art.101 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), envolve situações de abandono ou cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função protetiva.

O acolhimento só ocorre por determinação judicial, através da guia de acolhimento expedida pela 1ª Vara da Infância e da Juventude da comarca de Salvador. A atuação da instituição acontece através de ações da Proteção Social Básica e Especial, em consonância com o que prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Sistema Único de Assistência Social (Suas) e Política Nacional de Assistência Social (PNAS).

0
0
0
s2sdefault