Domingo , 25 Fevereiro 2018
0
0
0
s2sdefault

Para conscientizar foliões sobre a importância de um Carnaval mais seguro e livre de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), o prefeito ACM Neto lançou, nesta terça-feira (6), ao lado do ministro da Saúde, Ricardo Barros, a Campanha de Prevenção do Carnaval 2018, que tem como tema: "Prevenir é Viver o Carnaval #VamosCombinar". O lançamento foi realizado em evento que ocorreu no Teatro Gregório de Mattos, na Praça Castro Alves.

Além do prefeito e do ministro, estiveram presentes na cerimônia o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis, o secretário de Saúde do Município, José Antônio Rodrigues Alves, e do Estado, Fábio Vilas-Boas, o consultor do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) na Bahia, Javier Angonoa, a professora do Instituto de Saúde Coletiva da Ufba Inês Dourado, entre outras autoridades. O evento contou com a apresentação do mais belo dos belos, Ilê Aiyê, e do grupo de dança da FitDance.

Peças publicitárias serão veiculadas na TV, rádio e jornal de todo o país entre esta terça-feira (6) e o dia 2 de março. Em Salvador, a campanha de prevenção terá como dois importantes pilares a realização do Fique Sabendo, que consistem em testes rápidos para detecção de HIV, Sífilis e Hepatite B e C, além da distribuição de 2 milhões de preservativos em áreas estratégicas e nos circuitos da folia.

“Vejam, portanto, que há uma preocupação ampla e completa em levar esta consciência para toda a população sem preconceito e sem medo. Sabemos que ainda há muito receio de fazer o exame, no entanto, é fundamental que isso aconteça para que o tratamento, quando necessário, possa ser adotado. É por isso que vamos mobilizar todo o esforço possível com a Prefeitura e autoridades envolvidas”, disse ACM Neto.

O ministro Ricardo Barros lembrou que, apesar de a taxa de detecção de Aids ter tido uma queda de 5,2% entre os anos de 2015 e 2016, o número de detecção entre os jovens com idades entre 15 e 24 anos tem aumentado nos últimos dez anos. Entre os homens de 15 a 19 anos, a taxa de detecção passou de 2,4 casos por cem mil habitantes, em 2006, para 6,7 em 2016. Entre os homens com idades entre 20 e 24 anos, passou de 16 casos de Aids por 100 mil habitantes, em 2006, para 33,9 casos em 2016.

Além disso, de acordo com pesquisa do Ministério da Saúde, os jovens são quem menos usam preservativos, o que reforça ainda mais a importância de conscientizar e de ter o público como foco da ação. “Queremos com a Campanha #Vamoscombinar que as pessoas combinem com os seus parceiros para que não aumentemos o número de portadores de HIV no Brasil”, finalizou o ministro.

Em todo o país, serão distribuídos pelo Ministério da Saúde 106 milhões de preservativos masculinos, 200 mil femininos e 3,8 milhões de unidades de gel lubrificante. Cerca de 830 mil pessoas vivem com HIV e Aids no país. São 694 mil pessoas diagnosticadas e 548 mil em tratamento. Estimam-se que 136 mil pessoas ainda não saibam que estão com HIV. A estimativa indica ainda que 196 mil pessoas sabem que tem o HIV, mas não fazem tratamento.

Fique Sabendo – Os testes rápidos serão realizados no Multicentro da Carlos Gomes, no Centro, e em uma estrutura montada na Barra, nas proximidades do Farol. A unidade do Centro funcionará das 9h às 21h, e a da Barra, das 12h às 21h. Para atender aos foliões, a Prefeitura disponibilizará uma equipe formada por 70 profissionais, como enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e bioquímicos, treinados, não só para realizar o exame, mas para dar encaminhamento necessário aos assistidos.

Aqueles que registrarem resultado positivo para HIV, Hepatite B ou C sairão com consultas agendadas em uma das unidades de saúde do Município. Já os pacientes com resultado positivo para Sífilis, além de sair com agendamento de tratamento em uma unidade de saúde do Município, vão tomar a primeira dose do medicamento para tratamento da doença, após a confirmação.

Ano anterior – No Carnaval do ano passado, as unidades instaladas pela Secretaria Municipal de Saúde para atender ao público do Carnaval realizaram 7 mil testes rápidos dentre os quais houve 42 resultados positivos para HIV, 200 para Sífilis, 13 para Hepatite B e dez para Hepatite C.

 

0
0
0
s2sdefault