Segunda-Feira , 22 Outubro 2018
0
0
0
s2sdefault

Mesmo com o anúncio de uma possível paralisação de parte do funcionalismo a partir da próxima segunda-feira (06), a Secretaria Municipal de Gestão (Semge) reafirma que mantém abertas as negociações com a categoria, com o intuito de chegar a um acordo antes do início da greve. Em um momento de crise na economia brasileira, a gestão municipal apresentou propostas de aumento real que chegam a 10,36%, a depender da categoria e da condição de cada servidor, em negociação iniciada no mês de abril.

"A Prefeitura, ao contrário do que a gente vê Brasil afora, coloca na mesa uma proposta que abrange 95% dos servidores municipais, que chegam a até 10,36% de aumento de salário e, portanto, há todo o esforço para que se mantenha o diálogo, para que se evite qualquer tipo de paralisação, de prejuízo à prestação de serviços. Existe o compromisso do poder público de atender a essas expectativas da melhor maneira possível, acreditando sempre no diálogo", pontua o titular da Secretaria Municipal de Gestão (Semge), Thiago Dantas.

O secretário destaca ainda os avanços registrados em diversas outras categorias, com campanhas salariais já finalizadas. "Entendemos a necessidade e a importância de valorizar os servidores. Temos acordos firmados com agentes de trânsito e transporte, com agentes de saúde, engenheiros e arquitetos. Quem assinou acordo já viu os efeitos na folha de julho. Atravessamos um ano difícil, de 2016 e 2017 com quedas reais da arrecadação, e nem por isso a Prefeitura deixou de contemplar os servidores com aumentos."


Desde 2013, os funcionários municipais tiveram outras importantes conquistas, a exemplo dos planos de saúde e odontológico. No caso dos professores, a Semge ressalta que ano passado, com efeitos financeiros a partir de setembro, a Prefeitura concedeu aumento de 2,5%. "Agora, passados apenas 10 meses, a Prefeitura colocou proposta de novo aumento de 2,5% com efeitos para julho, mas há um movimento que consideramos ter sido iniciado de maneira precipitada, e que hoje atinge 8% da rede. Ao observar o tratamento que se dá ao Governo do Estado, entendemos que há algo por trás disso", finaliza Dantas.

 

0
0
0
s2sdefault