Segunda-Feira , 21 Outubro 2019
0
0
0
s2sdefault

Para lembrar o Setembro Amarelo, mês da campanha brasileira de prevenção ao suicídio, a Prefeitura tem promovido eventos para discutir o assunto e chamar atenção da sociedade. Além do III Simpósio em Saúde Mental, que aconteceu no auditório do Ministério Público da Bahia, e da iluminação em cor amarela no Elevador Lacerda, está em curso uma programação interna nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

Atualmente, o atendimento às vítimas acometidas por problemas de saúde mental é ofertado pelos 18 CAPS espalhados pela cidade e também na emergência psiquiátrica do município, que funciona 24h no 5º Centro de Saúde Clementino Fraga, na Avenida Centenário.

Dados - Hoje é o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio. A Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera o tema um grave e urgente problema de saúde pública, apontou, em seu relatório, que mais de 800 mil pessoas se matam todos os anos. O que significa que a cada 40 segundos alguém tira a própria vida.

O problema é apontado entre as dez maiores causas de morte mais frequentes no mundo, e a segunda principal entre os jovens de 15 a 29 anos. Segundo a OMS, nove de cada dez suicídios poderiam ser evitados, com a identificação e tratamento de vulnerabilidades, como distúrbios mentais, transtornos de personalidade, isolamento e depressão.

O coordenador da emergência psiquiátrica do município, o psiquiatra Ivan Araújo, ressalta a importância do trabalho feito pela Prefeitura, através de uma atuação integrada que envolve também os CAPS. Segundo ele, essa articulação é fundamental para melhor acolher os pacientes com problemas psíquicos, incluindo aqueles que atentam contra a própria vida.

“Somos unidade porta aberta, unidade referência para os casos de tentativas de suicídio, e funcionamos 24 horas. Somos como uma unidade de urgência e emergência, mas é importante, após o atendimento direcionarmos, que o paciente seja atendido em um dos CAPS. É fundamental essa rede integrada para cuidar do paciente”, assinala Araújo.

Programação - No CAPS Luís Meira Lessa, no Rio Vermelho, a programação teve início no dia 2, com uma vivência sobre prevenção ao suicídio, realizada em parceria com a equipe da Unidade de Saúde da Família (USF) Parque São Cristóvão.

Ainda como parte da programação do Setembro Amarelo, está prevista uma palestra educativa para os adolescentes no Colégio Ópera, nesta quinta-feira (12). No dia, será realizada uma oficina, na Faculdade FTC, com o tema “Notificação e manejo sobre os casos de violência interpessoal e autoprovocada”.

Já na unidade Adilson Sampaio, no Caminho de Areia, as atividades começam nesta sexta-feira (16), com um café da manhã da beleza. No dia 19, haverá uma roda de conversa com familiares e usuários sobre o mês de combate ao suicídio.

As atividades se estendem até o dia 26, com o evento “Cuca fresca”, que prevê a realização de dinâmicas de respiração e contemplação da natureza com usuários, familiares e demais pessoas da comunidade, na Ponta do Humaitá. Neste CAPS, a programação se encerra dia 27 com lanche, roda de conversa sobre as práticas integrativas e atendimentos de Reiki e auriculoterapia.

As atividades no CAPS Aristides Novis, no Engenho Velho de Brotas, também começaram no início do mês. As próximas ações incluem um bate-papo com psicólogos e assistentes sociais às 14h desta quarta (11). Na sexta (13), mais atividades estão previstas.

Até o final do mês, os CAPS Roberto Pelegrino (Nazaré), Rosa Garcia (Armação), Célia Rocha (Castelo Branco) e no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Paripe também desenvolvem atividades com os usuários, profissionais de saúde, familiares e comunidade.

 

 

 

0
0
0
s2sdefault