Logo Prefeitura de Salvador

Baianas são homenageadas durante Festival de Cultura Popular

Nesta sexta-feira (25) comemora-se o Dia Nacional da Baiana de Acarajé, cujo ofício é patrimônio imaterial do país desde 2004 e um dos principais símbolos da cultura e gastronomia de Salvador e da Bahia. Para celebrar a data, as baianas são as homenageadas do Festival de Cultura Popular, evento gratuito que reúne a riqueza das manifestações culturais, do artesanato e culinária da capital e do Recôncavo baiano no Centro Histórico de Salvador, este fim de semana.

Para marcar as homenagens, uma missa foi celebrada à tarde para as baianas e para os Filhos de Gandhy na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, pelo padre Lázaro Muniz. Antes da celebração, foi realizado um cortejo que partiu do Largo Cruzeiro de São Francisco, seguiu pela Rua do São Francisco e foi recepcionado pelas baianas na porta da igreja.

O padre Lázaro Muniz agradeceu pela realização do Festival de Cultura Popular e disse esperar que o evento possa ter continuidade. “Que esse festival simbolize a manifestação de coisas boas, da baiana com a sua beleza, que sempre sabe mostrar o que ela tem no seu tabuleiro. Todas essas coisas representam a graça de Deus, que nós expressamos nas suas diversas formas”, afirmou durante a celebração.

“É uma homenagem muito importante para nós, baianas, pois hoje é o nosso dia. Eu faço parte da Associação Nacional das Baianas de Acarajé (Abam) como coordenadora, sou baiana de receptivo há 15 anos e sou muito grata por esse ofício”, contou Claudina Silva, presente na missa.

A baiana Edilene Carvalho, 42 anos, falou um pouco sobre o orgulho que ela tem da própria atividade. “Eventos como esse só reforçam o nosso orgulho no exercício do nosso ofício, além de divulgar também um pouco da nossa cultura para outros estados e até mesmo para fora do país”, destacou. 

Integrante da Irmandade Nossa Senhora da Cachoeira, a baiana Joselita Sampaio Alves, de 79 anos, também ressaltou o orgulho pelo reconhecimento. “Nos sentimos muito orgulhosas. Contamos com pessoas que dão respeito à nossa ancestralidade. Nós somos uma fonte de fé que seguramos e jamais vamos deixar cair. Estamos felizes, satisfeitas e que Deus abençoe a todos nós”, disse.

Valorização – A Prefeitura de Salvador tem realizado diversas ações com o objetivo de valorizar um dos principais símbolos da cidade. Em maio deste ano, foi entregue o Memorial das Baianas de Acarajé, um dos importantes equipamentos históricos e culturais de Salvador, situado na Praça da Sé, ao lado da Cruz Caída.

Inaugurado em 2009, o memorial retrata a história e tradição do ofício das baianas. A revitalização buscou resgatar a função de exposição permanente da história das baianas e possibilitar a realização de eventos e divulgação da gastronomia regional, especialmente do acarajé.

O projeto foi elaborado pela Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), a curadoria foi coordenada pela Fundação Gregório de Mattos (FGM) e as obras foram executadas sob a supervisão da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra).

Além do Memorial situado no Centro Histórico, as baianas de acarajé também estão representadas em um monumento instalado pela Prefeitura no trecho da orla de Amaralina. Assinada pelo artista plástico Bel Borba, a escultura consiste em uma baiana vestida com babados e saia rodada, torço, panela entre as pernas e colher de pau em punho, preparando massa de acarajé. A peça mede quatro metros de altura, com peso de 16 toneladas, e visa ressaltar a importância histórica e cultural das quituteiras.

Censo – A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo de Salvador (Prodetur), promoveu um censo com o objetivo de identificar e mapear as baianas de Salvador e das ilhas. A pesquisa foi realizada no ano passado e contou com georreferenciamento, perguntas sobre cor, gênero, raça, renda, situação familiar, tabuleiro e ponto de venda. Foram levantadas ainda as dificuldades e necessidades que elas têm de modo a melhorar os pontos de vendas nas ruas. O censo ainda será divulgado pela Prefeitura e as baianas ouvidas receberão um kit padronizado para a melhoria das vendas dos produtos.

Programação – O Festival de Cultura Popular segue até o próximo domingo (27), na região do Centro Histórico. Ao todo, estão programadas 22 atrações artísticas de Salvador, Santo Amaro, Acupe, Maragogipe, São Félix, São Bartolomeu, Saubara, São Brás e Maracangalha. Nesse período, está sendo realizada uma edição especial da Feira da Sé, reunindo 45 expositores de produtos de artesanato das regiões participantes do projeto.

A gastronomia também marca presença com a participação dos restaurantes e bares do Centro Histórico, através do Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo. Amanhã, as ruas do Pelourinho recebem o cortejo do grupo Pierrot de Plataforma, de Salvador. Outras atrações estão marcadas para o dia. Confira a programação completa abaixo.

Programação do Festival de Cultura Popular:

Dia 26 (sábado)

10h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Pierrot de Plataforma, de Salvador 

10h – Abertura – Feira da Sé – Largo do Cruzeiro do São Francisco

10h30 – Apresentação de Maculelê e Puxada de Rede de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

11h – Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo – roteiro gastronômico dos bares e restaurantes que estarão abertos a partir deste horário 

11h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Lindro Amor, de Santo Amaro  

12h – Apresentação do Samba Filhos de Cadú, de São Félix, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

14h – Roda de capoeira com a Associação de Capoeira Mestre Bimba, no Largo do Cruzeiro do São Francisco 

15h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Nego Fugido, de Acupe, Santo Amaro.  

15h30 – Apresentação do Samba Chula de São Brás, de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

16h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Caretas do Acupe, Santo Amaro. 

17h – Apresentação do Samba de Roda João do Boi, de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

18h – Show de Roberto Mendes, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

Dia 27 (domingo)

10h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com Mascarados de Maragogipe

10h30 – Apresentação do Samba de Maragogó, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

11h – Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo – roteiro gastronômico dos bares e restaurantes que estarão abertos a partir deste horário 

11h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Bumba Meu Boi e a Burrinha de São Bartolomeu  

12h – Apresentação do Samba de Maracangalha, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

14h – Roda de capoeira com a Associação de Capoeira Mestre Bimba – Largo do Cruzeiro do São Francisco 

15h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com a Charanga de São Félix

15h30 – Apresentação da quadrilha Forró Asa Branca, no palco do Cruzeiro do São Francisco  

16h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com a Chegança de Saubara.

17h – Apresentação do Samba de Dona Nicinha, no palco do Cruzeiro do São Francisco

Encerramento.

Criado: 25 Novembro 2022

Festival une cultura popular de Salvador e do Recôncavo no Centro Histórico

A partir desta sexta-feira (25), o Centro Histórico de Salvador será palco do Festival de Cultura Popular, evento gratuito que reúne toda a riqueza das manifestações culturais, do artesanato e da comida da capital e do Recôncavo Baiano. Até o domingo (27), o público poderá conferir 22 atrações artísticas de Salvador, Santo Amaro, Acupe, Maragogipe, São Félix, São Bartolomeu, Saubara, São Brás e Maracangalha.

Durante esse período, será realizada uma edição especial da Feira da Sé, reunindo 45 expositores que colocarão à venda um mix de produtos de artesanato das regiões participantes do projeto. Peças da ceramista Dona Cadu, máscaras produzidas em Maragojipinho, imagens sacras em cerâmica, são alguns dos produtos que poderão ser adquiridos pelo público.

A gastronomia também marca presença com a participação dos restaurantes e bares do Centro Histórico, através do Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo. Já a programação musical está recheada de nomes como a os grupos Didá, Filhos de Gandhy e Pierrot de Plataforma, além da quadrilha Asa Branca, dos sambas Chula de São Brás, de Maragogó, de Maracangalha e de Dona Nicinha, dentre outras manifestações.

Impacto – O Festival de Cultura Popular reunirá mais de 500 profissionais entre artistas, expositores e técnicos. A realização do evento, além de valorizar o protagonismo das manifestações culturais baianas, também impacta economicamente nos grupos artísticos, expositores da Feira da Sé, estabelecimentos comerciais e comunidade da região.

A iniciativa também contribui para o fortalecimento e manutenção da prática dos agentes culturais e suas expressões, amplia o alcance para outras regiões e promove a integração dos municípios com a capital, oferecendo ao visitante um rico conteúdo cultural.

O Festival de Cultura Popular é uma realização do Instituto ACM – Ação, Cidadania e Memória, com apoio institucional da Prefeitura de Salvador e produção da Canjerê Produções, apoio da Acelen, Rede Bahia, Correio e Ache – Associação dos Empreendedores do Centro Histórico.

Programação

Dia 25 (sexta-feira)
10h – Abertura – Cortejo com a Banda Didá – saindo do Largo do Cruzeiro do São Francisco e percorrendo as ruas do Pelourinho
10h – Abertura – Feira da Sé – Largo do Cruzeiro do São Francisco
11h – Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo – roteiro gastronômico dos bares e restaurantes que estarão abertos a partir deste horário
16h – Cortejo com os Filhos de Gandhy – 16h – saindo do Largo do Cruzeiro do São Francisco e recebendo na Igreja do Rosário dos Pretos os membros da Irmandade, as senhoras da Irmandade da Boa Morte e as Baianas de Acarajé. Logo em seguida será realizada a missa solene presidida pelo padre Lázaro Muniz. Após a missa todos seguem em cortejo para o Cruzeiro do São Francisco, entoando o Hino ao Senhor do Bonfim

Dia 26 (sábado)
10h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Pierrot de Plataforma, de Salvador
10h – Abertura – Feira da Sé – Largo do Cruzeiro do São Francisco
10h30 – Apresentação de Maculelê e Puxada de Rede de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco
11h – Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo – roteiro gastronômico dos bares e restaurantes que estarão abertos a partir deste horário
11h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Lindro Amor, de Santo Amaro
12h – Apresentação do Samba Filhos de Cadú, de São Félix, no palco do Cruzeiro do São Francisco
14h – Roda de capoeira com a Associação de Capoeira Mestre Bimba, no Largo do Cruzeiro do São Francisco
15h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Nego Fugido, de Acupe, Santo Amaro.
15h30 – Apresentação do Samba Chula de São Brás, de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco
16h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Caretas do Acupe, Santo Amaro.
17h – Apresentação do Samba de Roda João do Boi, de Santo Amaro, no palco do Cruzeiro do São Francisco
18h – Show de Roberto Mendes, no palco do Cruzeiro do São Francisco

Dia 27 (domingo)
10h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com Mascarados de Maragogipe
10h30 – Apresentação do Samba de Maragogó, no palco do Cruzeiro do São Francisco
11h – Caminho da Comida Afetiva do Recôncavo – roteiro gastronômico dos bares e restaurantes que estarão abertos a partir deste horário
11h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com o Bumba Meu Boi e a Burrinha de São Bartolomeu
12h – Apresentação do Samba de Maracangalha, no palco do Cruzeiro do São Francisco
14h – Roda de capoeira com a Associação de Capoeira Mestre Bimba – Largo do Cruzeiro do São Francisco
15h – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com a Charanga de São Félix
15h30 – Apresentação da quadrilha Forró Asa Branca, no palco do Cruzeiro do São Francisco
16h30 – Cortejo pelas ruas do Pelourinho com a Chegança de Saubara.
17h – Apresentação do Samba de Dona Nicinha, no palco do Cruzeiro do São Francisco
Encerramento do Festival de Cultura Popular.

Criado: 24 Novembro 2022

Sempre promove atividades em alusão ao Novembro Negro

Em celebração ao Novembro Negro, acolhidos e assistidos das Unidades de Acolhimento Institucional (UAI) Adras 1, 2 e 3, realizaram, em conjunto, nesta terça (22), o ponto alto das atividades lúdicas e socioeducativas sobre o Dia da Consciência Negra. A atividade aconteceu no UAI Adras 2, no Barbalho. 

A iniciativa teve como objetivo promover o momento cultural e educativo, com reflexões sobre aspectos técnicos raciais e promover um espaço de enaltecimento da beleza negra. Durante a programação foi realizada uma feira da saúde, com palestras sobre a saúde do homem e da mulher, aferição de pressão arterial, glicose, além de oficina de turbante, desfile, corte de cabelo e palestra sobre o Dia da Consciência Negra. 

“Entendendo que nosso público, em média, é composto na maioria por pessoas negras, decidimos trabalhar neste mês a campanha do Novembro Negro, envolvendo diversas temáticas em referência ao mês. Quando trazemos temáticas como essa, percebemos em nossos assistidos uma aceitação melhor da parte deles de estar na sociedade, e isso é muito importante”, disse a coordenadora do UAI Adras 1, Gabriela Souza. 

Para o diretor do UAI Adras 3, Edmilson Borges, a programação marca uma política de ações afirmativas que contribuem para a vida dos assistidos. “Quando falamos sobre unidades de acolhimentos, a sociedade pensa em um espaço marginalizado, e a nossa intenção não é apenas que eles tomem propriedade de suas culturas e ancestralidade, mas mostrar para a sociedade esses espaços de ressignificação de vidas”. 

Consciência cidadã – Uma das assistidas, Rafaela da Silva Soares, de 18 anos, disse ter tido um dia com muitas lembranças de sua ancestralidade. “Esse tema da consciência negra lembrou muito a minha raiz, de quem sou, de onde venho, me reconheci muito através deste evento. Gostei muito da oficina de turbante e de maquiagem, estou me sentindo uma rainha, apesar das dificuldades do dia a dia, estou me sentindo muito feliz”. 

Para o secretário de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esporte e Lazer (Sempre), Daniel Ribeiro, essa é uma ação de extrema relevância, pois a grande maioria das pessoas em situação de rua, recebidas nas unidades de acolhimento próprias ou parceiras, se autodeclaram negros os pardos. “Com essa atividade, trabalhamos a autoestima desses indivíduos, que é um fator primordial para o desenvolvimento do autocuidado, consciência cidadã, empoderamento e respeito mútuo. Tudo isso auxilia na recuperação da autonomia necessária para o restabelecimento de convívios sociais, familiares e comunitários”, completou. 

A Adra é uma Organização da Sociedade Civil, parceira da Sempre através de chamamento público para prestação do serviço de acolhimento institucional. Assim, as pessoas em situação de rua beneficiadas pelo serviço de abordagem e aquelas atendidas nos Centro POP que aceitam acolhimento são encaminhadas para uma das três unidades, onde passam por acolhimento e encaminhamento para benefícios sociais e retorno à família de origem.

Criado: 23 Novembro 2022

Atividades artísticas e culturais movimentam a Casa do Benin

A Casa do Benin, no Pelourinho, recebe, até o dia 10 de dezembro, o projeto de ocupação Fantasmagorias Dahomeanas, que reúne oficinas de dança, cineclube, exposição artística contemporânea e roda de conversa. Às 15h da próxima sexta-feira (25), haverá a contação de história feita pela Egbomi Cici de Oxalá, apresentando a simbologia dos Panneaux (tapeçarias ideográficas) dos reis do Benin. As tapeçarias fazem parte do acervo cultural e artístico da Casa do Benin. 

Já no sábado (26), haverá a exibição de dois filmes no Cineclube da Cobra: Memórias e Ressonâncias, com a presença do bailarino e coreógrafo Clyde Morgan e curadoria de Shai Andrade e Paola Barreto. No dia 3 de dezembro, também um sábado, haverá novamente projeção de filmes, às 10h, com a presença do realizador Lucas Canavarro. 

Durante esta semana, já foi realizada a oficina de dança Ararás de Cuba, realizada pela artista e pesquisadora das danças de orixás de Cuba, Brasil e Benin, Beatriz Gonzales. Também foram exibidos quatro curtas-metragens do Cine Clube da Cobra: No Fluxo das Águas, com curadoria de Shai Andrade e Paola Barreto. A projeção foi seguida por um debate conduzido pelo professor Marcelo Ribeiro. 

Projeto – O título do projeto faz uma alusão aos fantasmas por ser algo que está escondido, oculto ou adormecido, mas que precisa vir à tona. “É uma espécie de recalque de algo que precisa ser trabalhado”, explica Paola Barreto, coordenadora geral de ocupação da Casa do Benin e professora do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) da Ufba. 

Segundo ela, o projeto procura dar visibilidade aos diversos aspectos das heranças que o Brasil herda do antigo reino do Daomé, que hoje recebe o nome de República do Benin, além de motivar uma reflexão sobre como esses ecos se reverberam no presente. Com a exposição, há também uma preocupação com o incentivo a artistas emergentes locais e do recôncavo. 

“Eu acho que essa partilha de conhecimento que estamos buscando proporcionar aqui é importante, porque está associando saberes e práticas que a gente produz dentro do espaço da universidade, mas também com mestres do saber, artistas, curadores e outros produtores de conhecimento, que não necessariamente estão vinculados à universidade. Ganha a sociedade e a universidade com esse tipo prática”, afirma Paola Barreto.

Requalificação de praça traz mais qualidade de vida aos moradores de Cajazeiras X

O bairro de Cajazeiras X celebrou mais um espaço de lazer requalificado pela Prefeitura: a Praça Jaime Sampaio, situada na Rua Ministro Apolônio Salles. O equipamento de convivência foi entregue a população na noite da terça-feira (22) pelo prefeito Bruno Reis, acompanhado da vice-prefeita Ana Paula Matos e dos titulares da Secretaria de Manutenção (Seman) e da Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal), Luciano Sandes e Virgílio Daltro, respectivamente.

Na ocasião, o prefeito destacou o quanto a gestão municipal tem se aproximado dos cidadãos para ofertar soluções cada vez mais assertivas. “Sempre que a Prefeitura faz uma praça procura saber da comunidade se quer homenagear algum morador, dialoga com os cidadãos para saber quais equipamentos querem implantar na praça. A reforma desta praça foi escolhida pela comunidade. Tudo é sempre feito com muito diálogo”, pontuou.

Reis afirmou que os investimentos em espaços de lazer e convivência têm privilegiado as áreas mais carentes da cidade, dando oportunidade aos soteropolitanos de terem lazer e interação em comunidade. “Sabemos a importância de um equipamento como este que movimenta a comunidade como um todo, contagia a economia. Assim vamos devolvendo a cidade ao cidadão e possibilitando aos moradores curtir a cidade. Estamos promovendo um novo momento para Salvador dando orgulho para os soteropolitanos”, explicou.

O gestor do executivo municipal também lembrou que a região de Cajazeiras recebeu diversos investimentos municipais nos últimos anos, a exemplo da Arena Pronaica, que recentemente ganhou grama sintética, do Hospital Municipal de Salvador, do Parque Pedra de Xangô e da ligação Jaguaripe/29 de Março.

Equipamento – Com pouco mais de 844 m², o espaço vai agradar todas as faixas etárias. No local há parque infantil com Casa do Tarzan, balanço e escorregadeira, além de academias de ginástica e saúde. O mobiliário ainda englobou uma futmesa, mesas infantis e para jogos e bancos modulares no padrão Desal. O investimento municipal neste equipamento é superior a R$328 mil.

O projeto de paisagismo do espaço ainda contou com áreas com gramado natural e sintético para deixar o ambiente ainda mais agradável aos frequentadores. Toda a iluminação do espaço também é 100% em LED, possibilitando que os moradores possam fazer uso do espaço no período noturno sem transtornos.

Em breve, assim como outras 200 praças espalhadas pela capital, a praça Jaime Sampaio também terá wi-fi gratuito para os frequentadores. A iniciativa é fruto do investimento da Prefeitura em 800 km de infovia, para que a internet seja ofertada aos cidadãos em parques, prédios e áreas públicas da capital.

A aposentada Joana Rebouças afirmou que o espaço tem garantido noites de lazer para todos. “Ficou muito lindo. É bom termos onde aproveitar as noites com alegria. Além de tudo essa praça valorizou ainda mais os nossos imóveis”, contou.

Já a dona de casa Rita Maia era só agradecimentos pela iniciativa. “Fiz questão de vir participar da inauguração porque realmente essa praça foi uma decisão acertada da Prefeitura. A gente já aproveitava essa área e agora está ainda melhor. Com certeza esta praça já foi aprovada por todos nós”, contou.

Balanço – A Prefeitura já entregou à população mais de 230 praças construídas ou requalificadas desde o início da atual gestão municipal. Outras 56 praças estão passando por intervenções neste momento em diversos pontos da cidade.

Criado: 23 Novembro 2022

Santa Mônica ganha novo espaço de convivência e lazer

Os moradores de Santa Mônica ganharam mais um espaço de lazer e convivência para apreciar os dias em comunidade. A Praça Criança Esperança da Paz, situada na Travessa Tenente Mário Alves, foi entregue pelo prefeito Bruno Reis aos moradores na noite desta segunda-feira (21). Ao lado do prefeito estiveram os titulares da Secretaria de Manutenção (Seman) e da Companhia de Desenvolvimento Urbano (Desal), Luciano Sandes e Virgílio Daltro, respectivamente.

Na solenidade, o prefeito Bruno Reis destacou o impacto positivo de promover a recuperação de espaços públicos para a cidade. “Quando fazemos uma praça como esta, procuramos atender a comunidade com os equipamentos que anseiam. Com isso, a gente vai devolvendo a cidade ao cidadão, criando novos espaços de lazer e interação. Em especial, estes espaços são para a criançada, que podem trocar vivências e ter interação”, afirmou.

O gestor também reforçou o empenho da Prefeitura em promover melhorias significativas para a população, principalmente nas áreas periféricas da capital. “A gente tem orgulho de dizer que investimos a maioria dos recursos da Prefeitura nas áreas mais carentes. Mais de 80% dos nossos recursos são investidos nestas áreas, assim como a maioria das praças que já entregamos são também”, pontuou.

Estrutura – A Praça Criança Esperança da Paz recebeu investimento superior a R$187 mil, provenientes de recursos próprios da Prefeitura. O espaço possui 145 m² e foi projetado para agradar crianças e adultos com seus atrativos. Dentre os equipamentos instalados no local, a praça conta com parque infantil, academia de saúde, área gramada, conjunto de mesas para jogos e bancos antivandalismo no padrão Desal.

Eliana Braga Santos, 38 anos, afirmou que a transformação da área, antes abandonada, foi uma grande transformação para a comunidade. Ela, que é mãe da pequena Kauane, de oito anos, contou que o equipamento tem proporcionado às crianças um lazer que antes não era possível ter na comunidade. “Minha filha vem brincar aqui todos os dias quando sai da escola. Essa praça tem sido uma grande alegria para a criançada daqui. A briga agora é tirar ela daqui para ir para casa dormir”, contou.

Balanço – A Prefeitura já entregou à população 229 praças construídas ou requalificadas desde o início da atual gestão municipal. Outras 58 áreas de convivência e lazer estão passando por intervenções neste momento em diversos pontos da cidade.

Criado: 22 Novembro 2022

Skip to content