Logo Prefeitura de Salvador

Cursos de audiodescrição e braille terão inscrições abertas a partir desta segunda-feira (26)

Foto: Jefferson Peixoto/ Secom PMS

A Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre) promoverá dois cursos voltados para a acessibilidade, sendo um deles de audiodescrição e o outro de braille. Ambos estarão com inscrições abertas a partir desta segunda-feira (26) e darão aos participantes direito à certificado de conclusão.

As inscrições para o curso de audiodescrição podem ser feitas até o dia 1º de março, por meio do link: https://forms.gle/9SrCWP4r5ouDvjfP7. As aulas começam no dia 5 do mesmo mês e vão até o dia 23 de abril, sempre às terças-feiras, das 8h às 12h, na sede do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência (Comped), no bairro de Nazaré.

A audiodescrição é um recurso de tecnologia assistida que permite que as pessoas cegas e com baixa visão tenham acesso às informações das imagens que estão no ambiente virtual. O recurso descreve todas as imagens de maneira acessível em diferentes modalidades, a exemplo de texto, QR Code e áudio.

Durante o curso, os inscritos irão aprender, por exemplo, a fazer a descrição de cards e demais imagens estáticas para as redes sociais. A carga horária total do será 40h.

Braille – Já as inscrições para o curso de braille poderão ser feitas até o dia 2 de março, por meio do link: https://forms.gle/UEbXkFbNTVNSEv69. As aulas começam no dia 6 do mesmo mês e vão até 15 de abril. 

As atividades ocorrerão sempre às quartas-feiras, das 8h às 12h, também na sede do Comped, em Nazaré. Os alunos irão aprender sobre a origem do Braille, alfabeto, regras para a escrita, pontuação e outros sinais gráficos.

Mais inclusão – Segundo Daiane Pina, que além de audiodescritora é diretora de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência da Sempre, o objetivo é disseminar a cultura da acessibilidade levando recursos para atender melhor a população da capital baiana. “A gente quer que Salvador seja uma cidade onde as pessoas saibam lidar com a diversidade humana”, afirma. 

Além desses dois cursos, a Sempre planeja realizar outros voltados para a promoção da acessibilidade, a exemplo do de Soroban, instrumento de cálculo utilizado por cegos; Orientação e Habilidade, direcionado para que profissionais de turismo sejam capacitados a guiar pessoas com deficiência nos pontos turísticos, e o de Língua Brasileira de Sinais (Libras), este último previsto para a primeira semana de abril.

Reportagem: Priscila Machado/ Secom PMS

Programa Morar Melhor soma 665 casas reformadas na região de Santa Mônica 

Betto Jr./Secom PMS

O programa Morar Melhor alcançou mais 200 casas na região de Santa Mônica com reformas estruturais que proporcionaram mais dignidade e bem-estar aos moradores beneficiados. A entrega das intervenções foi feita pelo prefeito Bruno Reis na manhã deste sábado (24), durante solenidade na Rua Vilas Aíres. A iniciativa já soma 665 casas requalificadas apenas na poligonal

“Salvador, durante um processo histórico, cresceu com habitações precárias. Por isso, oferecemos diversos programas de moradia no Mané Dendê (Subúrbio), Baixa Fria (Canabrava), Barro Branco (Alto do Peru) e, agora, na comunidade do Pé Preto (Nordeste de Amaralina). Mas a cidade precisava de um programa para reforma da casa das pessoas. Estamos mudando a realidade de muitas famílias, proporcionando moradia digna. Não há nada mais importante para o ser humano do que seu próprio lar”, destacou Bruno Reis.

O prefeito lembrou que um dos destaques do Morar Melhor é o fato de os beneficiários permanecerem no bairro onde nasceram e possuem suas raízes. Além disso, os próprios moradores escolhem quais serviços são realizados, a exemplo de instalações sanitárias, pintura, reboco, recuperação ou troca de telhado e de esquadrias (portas e janelas).

“O Morar Melhor permite que a gente mantenha a tradição, costume e vizinhança das famílias. É o programa mais especial da Prefeitura de Salvador, e também é o mais pedido pela população”, acrescentou. O prefeito visitou uma das selecionadas pela iniciativa nessa etapa: a diarista Solange Pereira, 63 anos. A idosa se recupera de um AVC sofrido recentemente e ficou bastante emocionada por ter sido uma das contempladas. 

“Eu não tinha condições de fazer essa reforma. Minha casa era cheia de goteiras quando chovia, e eu tinha que acordar de noite para botar baldes para conter as infiltrações. Não conseguia dormir direito. Agora, não tenho mais esse problema. O banheiro, que só cabia uma pessoa, está mais amplo e confortável. Sou muito feliz e grata pela Prefeitura”, festejou.

De acordo com a Secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), desde 2015, o Morar Melhor já reformou mais de 47,5 mil casas em toda a capital baiana.

Fases – Para as intervenções serem realizadas, assistentes sociais do programa realizam avaliação das famílias e fazem cadastramento dos imóveis Depois disso, a equipe técnica da empresa contratada via processo licitatório, formada por engenheiros, arquitetos, técnicos em edificações e fiscais, realiza a avaliação de campo e elabora o orçamento dos serviços a serem executados.

A Prefeitura acompanha de forma permanente o andamento das obras e mantém diálogo com os beneficiários, esclarecendo dúvidas e garantindo a satisfação com os serviços realizados. 

O Morar Melhor segue critérios como precariedade dos bairros, baseado em dados do IBGE; áreas com maior predominância de domicílios com alvenaria sem revestimento; maior predominância de pessoas abaixo da linha da pobreza; maior predominância de mulheres chefe de família, entre outros requisitos. Não são contemplados imóveis em situação de risco, imóveis de aluguel ou famílias que apresentem renda superior a três salários mínimos.

Subúrbio e Ilhas terão nova sede administrativa do Conselho Tutelar

Foto: Bruno Concha / Secom PMS

Salvador ganhará uma nova sede do Conselho Tutelar XIV – Ilhas, que vai beneficiar os bairros de Paripe e São Tomé de Paripe e as ilhas de Maré, dos Frades e de Bom Jesus dos Passos. A entrega do novo equipamento para as comunidades será realizada nesta segunda-feira (29), às 8h30, no espaço localizado na Rua Benjamin de Souza, 101, em São Tomé de Paripe (próximo ao píer).

Na ocasião, estarão presentes a vice-prefeita e secretária de Saúde (SMS), Ana Paula Matos, a titular da Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), Fernanda Lordêlo, e demais autoridades municipais.

Para Ana Paula Matos, o equipamento trará ganhos significativos para a capital. “Esse é mais um ato de fortalecimento da rede de proteção das crianças e adolescentes do território municipal. O Conselho Tutelar é encarregado de zelar pela garantia do que é estabelecido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, e fortalecer e dar mais estrutura a esse órgão é uma forma de ampliar os caminhos para a construção de uma sociedade onde os meninos e meninas tenham todos os direitos preservados”, contou.

Fernanda Lordêlo explicou que a nova sede administrativa vai contribuir na melhor eficiência dos serviços prestados pelos profissionais. “Nesse local, os conselheiros tutelares estarão mais bem localizados em relação aos moradores das ilhas municipais, em frente ao píer. Dessa forma, poderão acompanhar de forma mais rápida a população que compõe a área de abrangência do Conselho. Os conselheiros tutelares são atores importantes no sistema de garantia de direitos, porta de entrada das denúncias e, dessa forma, estarão em um ponto de fácil acesso da população”, detalhou.

Desde o início da atual gestão municipal, a Prefeitura já reformou 13 sedes do Conselho Tutelar em Salvador. Atualmente, 120 profissionais atuam no setor na capital baiana distribuídos nos 24 Conselhos Tutelares que a cidade possui. Eleitos em outubro de 2023, eles exercerão o mandato no quadriênio 2024/2028.

Prefeitura e Cruz Vermelha iniciam treinamento para programa Acesso Mais Seguro

Foto: Lucas Moura/Secom PMS 

A Prefeitura de Salvador e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) iniciaram, na tarde desta terça-feira (29), um treinamento especial junto aos servidores municipais para a implementação do programa Acesso Mais Seguro. A atividade foi realizada no auditório da Secretaria de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre), no Comércio, e segue até a sexta-feira (1º).

O projeto, cujo objetivo é mitigar os impactos da violência armada na realização dos serviços municipais, engloba a Sempre e as secretarias da Educação (Smed), Saúde (SMS) e Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ). Diversos profissionais das secretarias envolvidas participaram do encontro, onde adquiriram conhecimentos necessários para disseminar e aplicar o Programa AMS em suas respectivas instituições.

O programa AMS é projetado para fortalecer a capacidade das instituições públicas no que diz respeito à análise de contexto ligada à violência armada, gerenciamento de riscos, gerenciamento de crises e manejo do estresse. As atividades têm como alvo não apenas os profissionais diretamente envolvidos, mas também gestores, visando uma mudança de comportamento que resulte em maior resiliência diante dos desafios da violência armada e em uma redução das consequências humanitárias dessa violência sobre a prestação e acesso aos serviços.

“Os treinamentos realizados buscam preparar os profissionais para a adoção de medidas preventivas e medidas que limitem as consequências das situações de crise que ocorrem nos territórios. Nestes treinamentos buscamos transferir ferramentas simples que possam ser facilmente utilizadas e replicadas pelos profissionais”, declarou a coordenadora do AMS no CICV, Karen Cerqueira.

Um dos participantes, Marcelo Tourinho, gerente da gestão do Sistema Único de Assistência Social (Suas) da Sempre, também ressaltou a relevância da parceria para a Prefeitura de Salvador, evidenciando que a cooperação com a Cruz Vermelha resultará em uma resposta mais ágil diante das situações de violência urbana. “Essa tem sido uma iniciativa de uma articulação sistêmica da Prefeitura, envolvendo principalmente as áreas que têm maiores serviços, como a Saúde, a Educação e a Assistência Social. No entanto, com o tempo, vai se desdobrar para várias outras áreas da Prefeitura, aperfeiçoando essa resposta do município”, destacou.

A subcoordenadora de Ações Comunitárias e Educativas na Defesa Civil de Salvador (Codesal), Fabiana Santana, reforçou o compromisso da gestão municipal com a segurança dos profissionais, ressaltando a mudança de visão que a iniciativa representa. “A gente visto que a Prefeitura de Salvador tem cuidado cada vez mais de todas as pontas dentro do processo de trabalho na gestão. Hoje, a gente começa um planejamento para cuidar da segurança dos profissionais das unidades de saúde, unidades escolares e trabalhadores que atuam em campo”, ressaltou.

Prefeitura promove mutirão social para atendimento de cadastros do Bolsa Família com bloqueio

Foto: Vitor Santos/ Sempre

A Prefeitura de Salvador, por meio da Secretaria de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (SEMPRE), está promovendo um amplo mutirão social para atendimento aos beneficiários do programa Bolsa Família que estão com o cadastro bloqueado. A iniciativa teve início nesta terça-feira (22) e está acontecendo na Doca 1 – Av. da França, s/n, no bairro do Comércio.

Com o intuito de facilitar o processo, o mutirão social está disponível para atendimento espontâneo, dispensando a necessidade de agendamento prévio. A equipe conta com 40 entrevistadores, como destacado pelo secretário da Sempre, Júnior Magalhães, com a finalidade de oferecer total apoio aos beneficiários que foram bloqueados pelo Governo Federal.

“Os municípios são responsáveis, unicamente, por realizar a inclusão de famílias no Cadastro Único, como também, a atualização cadastral de forma que o Governo Federal conheça o perfil socioeconômico da população. Para isso, estamos realizando um esforço concentrado com atendimento espontâneo, direcionado exclusivamente aos cadastros unipessoais bloqueados. Isso reflete o comprometimento da Prefeitura de Salvador em disponibilizar esse serviço às pessoas mais necessitadas, prejudicadas com esse bloqueio”, explicou o secretário.

Para realizar o atendimento, é necessário apresentar os seguintes documentos originais: um documento com foto contendo o CPF do responsável familiar, além de um comprovante de residência.

Texto: Ascom Sempre

Prefeitura vai abrir mais dois centros de convivência para crianças e adolescentes até 2024

Foto: Betto Jr / Secom PMS

A Fundação Cidade Mãe (FCM) realizou na tarde desta segunda-feira (21) o workshop 28 Anos Acolhendo Histórias, em alusão ao aniversário da entidade, celebrado neste mês de agosto. O evento contou com a presença do prefeito Bruno Reis, da presidente da FCM, Isabela Argolo, e de representantes de órgãos de defesa de crianças e adolescentes, como Ministério Público (MP-BA), Defensoria Pública (DPE-BA), 1ª Vara da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça (TJ-BA) e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

Bruno Reis participou da abertura do evento e reafirmou o seu compromisso de inaugurar mais duas unidades dos Centros de Convivência Socioassistencial (CCS), chegando a 10 deles em Salvador. O primeiro equipamento será aberto ainda neste ano e o próximo, no primeiro semestre de 2024. Atualmente, por meio dessas instalações, a FCM atende a mais de 2,1 mil crianças e adolescentes, dos seis aos 17 anos, que se encontram em situação de vulnerabilidade social ou risco pessoal.

“Temos uma série de novos CCS para serem entregues até o final deste nosso mandato. Inclusive, buscando parcerias, como a secretaria de Educação, que tem ajudado e apoiado a FCM. Já que, nesse caso, muitos dos CCS funcionam na prática como um local para que as crianças tenham atividades no contraturno, numa educação integral. Desde que tive a oportunidade de assumir a Prefeitura, recuperamos os espaços que existiam, remodelamos convênios para atender especialmente a crianças e jovens em medidas socioeducativas e reformulamos o programa Família Acolhedora”, disse Bruno.

Os oito CCS estão espalhados por diferentes comunidades de Salvador, como Periperi, Nordeste de Amaralina, Saramandaia, Jardim das Margaridas, entre outros. Neles, crianças e adolescentes, inclusive os que estão matriculados na rede municipal de ensino, têm acesso a oficinas culturais (dança, música, artes plásticas, capoeira, teatro), oficinas para inclusão digital, cursos de qualificação e de jovem aprendiz, além de reforço de português e matemática em parceria com a secretaria de Educação (Smed).

Como explicou a presidente da FCM, Isabela Argolo, os CCS fazem parte da estratégia de proteção básica da entidade, que atua na prevenção, mostrando aos jovens que existem caminhos mais prósperos para eles. “Além disso, temos também a proteção especial, que são aqueles meninos que tiveram seus direitos violados e que, por causa disso, precisam de uma intervenção mais direta”, disse.

“Então eles são retirados do lugar da violação e levados para uma Unidade de Acolhimento Institucional (UAI). Além dessa ação, temos também o acolhimento familiar, que é o programa Família Acolhedora, onde famílias voluntárias se colocam à disposição para receber crianças em vulnerabilidade dos zero aos seis anos”, completou Isabela.

A FCM dispõe de quatro UAI, também espalhadas em diversos bairros da cidade, cada uma com capacidade para receber até 20 jovens dos oito aos 18 anos. Além disso, a entidade oferece repúblicas para que jovens sejam acolhidos, dos 18 aos 21 anos.

Workshop – Além de Bruno Reis, participaram do evento a vice-prefeita Ana Paula Matos e a secretária de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), Fernanda Lordêlo. Após a palestra do prefeito, houve uma apresentação de dança dos educandos, com a temática do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A primeira mesa teve como tema ‘Infância Protegida’ e teve como palestrantes Leu Brasil, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA); Márcia Rabelo Sandes, Promotora de Justiça da Infância e Juventude do MP-BA; Gisele Aguiar, coordenadora da Defensoria Pública Especializada da Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente; e Walter Ribeiro, juiz titular da 1ª Vara da Infância e da Juventude no TJ-BA.

“Esse workshop tem como objetivo unir todos os atores que atuam em prol da infância e da adolescência. Com a ideia da gente pensar em estratégias e ações que visem mudanças. A gente sabe que os desafios são muitos, o próprio sofrimento que tem vindo das crianças por conta das negligências, dos abusos, das histórias de dor que esses meninos sofrem. Isso tem ampliado muito os nossos desafios, mas nada melhor do que enfrentá-los unindo forças”, explicou Isabela Argolo.

O workshop é um dos eventos realizados em agosto em celebração ao aniversário da FCM. No dia 30, será realizado no teatro do Subúrbio 360 um espetáculo montado por crianças e adolescentes atendidos pela fundação.

Reportagem: Thiago Souza e Vitor Villar /Secom PMS

Skip to content